Páginas

sábado, 17 de março de 2018

Paulinismo- Postagem de Páscoa I




Toda a base teologica e dogmatica de quase todas as denominações cristãs são baseadas em Paulo, não em jesus. Arrebatamento, salvação gratuita, cargos eclesiasticos etc... tudo doutrina de Paulo.
As pessoas não veem nenhum problema nisto, pois as pessoas são pré-condicionadas desde pequenas a acreditarem que Paulo foi o maior dos apóstolos e que seus ensinos são iguais aos de Jesus, pois, afinal de contas, ele aprendeu com o próprio Cristo o evangelho, ainda que ele nunca tenha conhecido Jesus. E as pessoas por credo não conseguem analisar racionalmente as diferenças do que Jesus disse e do que Paulo disse. As diferenças entre o que os demais apóstolos pregavam, e até as suas divergências com Paulo são evidentes no novo testamento. A epístola de Tiago, por exemplo, nem sequer entrou nos primeiros concilios no cânon, porque todos sabiam que era uma resposta a epístola de Paulo aos Romanos (veremos adiante)
Vamos analisar estes pontos e algumas curiosidades.
PAULO APÓSTOLO?
No primeiro século haviam vários messias e cada um deles com seus seguidores (ver: Os falsos messias da judéia). O judaísmo fervia de seitas e facções diferentes. Havia Simão Barjonas, Simão o mago (mencionado em atos e no evangelho de Pedro), Simão pirineu, Apolonio de tiana, Barcokva etc.... Devido a opressão Romana, os judeus anseiavam por um messias, ou esperavam que o messias se manifestasse naquela geração, e isso era um prato cheio para pessoas que acreditavam serem o messias, e elas atraiam muitos seguidores. Uns com curas, outros com palavras e outros com incitação a rebelião. Dentro do judaísmo mesmo haviam correntes diferentes, como os saduceus, fariseus, essênios etc....
Mas duas vertentes messiânicas tornaram-se mais proeminentes no primeiro século. Os seguidores de João Batista e os seguidores de Jesus. Os seguidores de João batista acreditavam que ele era o messias e não jesus, isto testemunhado por alguns pais da igreja. Os seguidores de Jesus eram maiores, e justamente por essa expansão, começaram a surgir facções diferentes de crentes que acreditavam que Jesus era o messias. Uns acreditavam pelos testemunhos dos apóstolos (os doze) e outros pelos testemunhos de pessoas que se convertiam e saiam pregando como Paulo. Paulo mesmo em corintios atesta isto:
"Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloé que há contendas entre vós.Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo"
1 Coríntios 1:11-12
Como vemos, haviam uns que diziam ser de Pedro, outros diziam ser de Paulo, outros diziam ser de Apolo (talvez um novo convertido) e assim por diante. Não havia apenas um grupo unanime e unido como nós somos induzidos a crer. E também não havia uma harmonia entre Paulo e os demais apóstolos. Em sua epístola aos Gálatas, Paulo declara que confrontou Pedro abertamente e vai mais além, quando se refere aos demais apóstolos. Observe que Paulo mesmo se refere aos demais apóstolos como notáveis (algumas bíblias traduzem colunas) :
Depois, passados catorze anos, subi outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também comigo Tito.E subi por uma revelação, e lhes expus o evangelho, que prego entre os gentios, e particularmente aos notáveis; para que de maneira alguma não corresse ou não tivesse corrido em vão". Gl 2,1-2
Esta é tradução mais fiel baseada nos textos gregos
"E conhecendo Tiago, Cefas e João, que eram considerados como os notáveis, a graça que me havia sido dada, deram-nos as destras, em comunhão comigo e com Barnabé, para que nós fôssemos aos gentios, e eles à circuncisão; Gl 2,9
Os mesmos que ele descreve que não lhe acrescentaram nada:
"E, quanto àqueles notáveis que pareciam ser alguma coisa (o que na realidade não interessa; Deus não faz acepção de pessoas ), de qualquer forma esses notáveis não me acrescentaram em nada" Gl 2,6 (ps. Esse versículo as bíblias traduzem diferente do texto grego tendenciosamente. ver bíblia de Jerusalém ou outra de estudo)
De fato, o próprio Paulo admite que não era considerado apóstolo pelos demais:
"Se não sou apóstolo para os outros (apóstolos) ao menos sou para vós" (1cor 9,2)
e que foi abandonado por eles:
"Bem sabes isto, que os que estão na Asia todos se apartaram de mim." (2 Timóteo 1, 15)
Após a saída de Judas, os apóstolos tiveram que escolher um novo apóstolo em seu lugar, e o critério utilizado, segundo o entendimento deles através do espirito santo era que:
o escolhido devia ter seguido Jesus desde o dia do seu batismo até à sua morte (Atos 1, 21-22).
Critérios estes que Paulo não preenchia. Paulo chega mesmo a utilizar Escrituras, aplicando antigas profecias a ele próprio, nomeadamente Isaías 49, 6: "também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra." (Atos 13, 47-49) O problema com esta profecia é que se aplicava apenas a Isaías. Não a Paulo.
Na verdade os apóstolos nunca ordenaram Paulo apóstolo, mas ele mesmo. A palavra apóstolo significa enviado, isto é, alguém que foi enviado diretamente por Jesus ou por alguém enviado por ele. Paulo não preencheu este requisito, uma vez que os demais apóstolos não o reconheciam como tal.
Jesus, em seu famoso sermão profético advertiu aos seus seguidores sobre isso dizendo:
"Surgirão falsos cristos (palavra que significa ungido) e falsos profetas em meu nome (como que surgiria um messias em nome do messias?) e enganarão a muitos, e se possível até os escolhidos. Não os creiais, eu não os enviei" (mateus 24 ou lucas 21)
O problema deste texto é a palavra messias que todos pensam se referir a messias mesmo, mas essa palavra significa ungido. Qualquer pessoas que se diga ungida esta se dizendo messias. Até porque não teria como alguém surgir em nome de Jesus se dizendo messias literalmente: "Olha, eu sou o messias e o messias me enviou". Não teria como. E o que Jesus esta advertindo aqui? "Não vai vir mais ninguém.

Fonte: avozdedeus.org


                                                                    continua

2 comentários:

Elvira Carvalho disse...

Adorei ler. Não sou estudiosa, mas não gosto muito de Paulo, que acho demasiado duro. Cristo era mais amor.
Um abraço e bom fds

dioceli borges disse...

Em várias passagens de paulo se lê contradições com os ensinamentos de Jesus.