Páginas

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Ministro da Cannabis

                                                      
        Explicar, defender, falar de maconha, todos sabemos, é considerado uma grande heresia em nossa conservadora sociedade. Se isso aplica-se aos dias atuais, onde nos orgulhamos de viver num mundo mais democrático, onde as liberdades individuais são respeitadas e toleradas, imaginem nas décadas de 60, 70 e 80, onde discursar ou cantar sobre a erva era, ainda mais implacavelmente, tachado de apologia às drogas.
         Chamar pra si a defesa de uma planta tão amaldiçoada pela ignorância e desinformação do homem é, no mínimo, um ato de  coragem. Percebemos que vem da classe artística a  maioria das opiniões favoráveis ao consumo da cannabis, sendo a música, através do estilo reagge, a maior protagonista em exemplos contestatórios. Um nome, em particular, merece menção destacada quando o assunto é bater de frente com o preconceito: Peter Tosh, jamaicano que, ao lado de Bunny Wailer e Bob Marley fundou um dos grupos mais respeitados e influentes da história, os The Wailers. 
         Em meu entendimento, como estudioso e apreciador musical, todos os três nomes acima citados são estrelas e ajudaram a popularizar um estilo de vida essencialmente pautado pela religiosidade, a cultura Ras Tafari (que será tema de futura postagem). A nível de mídia, em linhas gerais, atribui-se a Bob Marley a soberania absoluta dentro do universo "reagge music", posição esta que contesto parcialmente. Ao mesmo tempo que admiro e reconheço o papel de Marley como missionário, que contribuiu decisivamente para a popularização de tal estilo musical pelo mundo afora, acho necessário tornar conhecidos outros personagens que, da mesma forma, expandiram através de versos e acordes a mensagem de Jah, o Deus soberano dos rastas.
      Peter Tosh, conforme comentários introdutórios, foi um contestador agudo e implacável do sistema, com suas contradições e hipocrisias disfarçadas. Não sentia acanhamento algum em acender seus generosos e estufados cigarros de cannabis no palco, algo que dentro da sua filosofia de vida lhe era essencialmente natural. Isso o fazia, sem receio do preconceito, racismo e moralismo que dominavam a sua época e persistem ainda, intocáveis, até os dias de hoje. Por esse e outros motivos, considero-lhe o artista pioneiro na luta pró legalização da maconha, que em sua época Jah alertava-nos sobre uma questão tão pertinente, que continua e continuará dividindo opiniões.
       Enfrentou e denunciou a malícia de políticos. Foi vítima, escreveu e cantou a brutalidade policial. Pediu igualdade de direitos à todos, sem distinção de classe social. Compôs melodias devocionais, em honra ao seu Deus, Pai e Criador. Declarou predileção e respeito à uma erva considerada, segundo a sua fé, sagrada. Esse foi Wiston Hubert McIntosh, que apresento à seguir, em breve biografia e através de sua divina música. 

                                                                     Cesar


 

 Peter tosh nasceu numa comunidade rural chamada Westernmost - Jamaica - em 19 de Outubro de 1944, com 15 anos foi viver na capital da Jamaicana kingston. Cedo conheceu Bob Marley e Bunny (Wailer) Livingstone, formando com eles uma forte amizade que os viria a juntar mais tarde como trio vocal. No ínicio Peter tosh era o único que detinha alguns conhecimentos tanto musicais como a nível de instrumentos, ensinando Bob e Bunny a tocar violão. Na primeira metade dos anos 60 o trio já tinha nome chamando-se “Wailing Wailers” e em 1965 - 5 músicas do Top 10 Jamaicano eram discos deles. Em 1972 Chris Blackwell Presidente da “Island Records” assinou com o trio, o qual originou ao 1º LP “Catch a Fire” que continha Peter nas vocais em “Stop that train” e “400 Years”.
Na Jamaica eles abriam ínumeros shows com vedetas como “The Jackson Five” e Marvin Gaye. Em 1974 devido a problemas internos no seio do grupo (qualquer dos três tinha potencial para ser o “Lead Vocal do Trio"), acabam por se separar para iniciar a carreiras solo.
O ano de 1976, foi o momento da edição do 1º LP de Tosh solo - "Legalize it" - o controverso single foi imediatamente proibido nas estações de rádio Jamaicanas, mas mesmo assim foi um dos LPs mais vendidos da história da música Jamaicana. Depois de "Legalize it" mais clássicos foram construídos por Tosh entre eles destaco “Equal Rights” e uma das minhas preferidas de sempre de Tosh “Fools Die” (LP Wanted Dread and Alive).
Em 1978 Peter Tosh é agredido quase até á morte pela polícia durante o “One Love Peace Concert” devido a palavras dirigidas ao Primeiro Ministro Jamaicano.
Tosh sai da Jamaica para ir viver nos Estados Unidos e a convite de Mick Jagger associa-se á editora Rolling Stones, desta colaboração é editado o LP “Bush Doctor” que inclui o dueto com Mick Jagger “Don't Look Back”, o 2º LP a sair através da Rolling Stones foi o “Mystic Man” que contém para além do soberbo “Mystic Man”, também “The Day the Dollar Die” e “Buk-in-Ham Palace”. Também Eric Clapton era fã de Tosh ao ponto de gravar um dueto com ele na Música “Watch You Gonna Do”. Segue-se em 1981 o LP “Mama Àfrica" que inclui a brilhante canção que dá o nome ao Álbum e claro, a conhecidíssima “Johnny B Good” uma cover do clássico de Chuck Berry.
Entre 1983 e 1987 Tosh apenas viajava por África, dava alguns concertos e recuperava de agressões que sofreu várias vezes pela polícia. Neste período a nível músical nada gravou, a não ser em 1987 o álbum “No Nuclear War” que lhe mereceu um Grammy em 1988. Infelizmente pouco tempo depois da edição do álbum a 11 de Setembro de 1987, Tosh e mais duas pessoas são assassinados na sua casa em Kingston, (sempre se falou que terá sido um mero assalto mas, ...).
 
    Fonte: serginhoroots.com.br





                             

2 comentários:

vendedor de ilusão disse...

Tudo verdade! Nada, além disso! Brilhante o teu texto, foste preciso nas narrativas...
Um forte abraço.

dioceli borges disse...

Gosto do estilo e da musica Ras tafari e esse testo diz tudo.Gostei.