Páginas

quinta-feira, 15 de março de 2012

O lixo social

         


        
         Quando fui selecionado para trabalhar no meio do chamado “lixo social”, imaginei, á princípio, estar adentrando num mundo contaminado e com poucas perspectivas de mudanças. Os noticiários mostram-nos que o Sistema Penitenciário está intimamente associado à idéia de perigo constante e isso, mesmo que inconscientemente, acaba gerando perspectivas pessimistas em quem nunca participou daquela realidade intramuro (dentro da prisão).
          Exerço função burocrática dentro de um Estabelecimento Prisional dos regimes aberto e semi-aberto, auxiliando, não raras vezes, na aplicação da Justiça, lidando com direitos e deveres de condenados. Durante o meu curso de formação para Agente Penitenciário Administrativo aprendi que, teoricamente, a função da pena, ao contrário do que eu anteriormente pensava, não se restringe à tão somente punir o indivíduo. O Estado, como executor da sanção imposta pelo Juiz, também deve tentar oferecer ao apenado alternativas de ressocialização, sendo esta a grande questão ou contradição que exige neste instante sério debate.
          São muitos os que duvidam irredutivelmente que a recuperação de um criminoso é possível e vêem na ressocialização apenas uma possibilidade utópica. Quanto a isso, quero interpor a minha modesta autoridade de co-participante diário desse drama social.
          Logo que fui contratado, apreensivo e talvez influenciado por um certo preconceito, procurei descobrir uma maneira toda especial para lidar com todos aqueles condenados, porém, havia ignorado um fator primordial e que hoje pra mim se faz tão evidente: Eles são pessoas. Traem, mentem, sofrem, tentam, caem, levantam-se. Duvidar de suas vitórias é duvidar do ser humano em geral e aceitar que as coisas realmente não têm mais jeito.
          A punição e o castigo fazem-se necessários em algumas situações, mas não deve a sociedade contentar-se em jogar o seu estorvo na prisão e simplesmente exigir que ele lá permaneça. A menos que acreditemos na adoção da pena de morte ou em massacres como o de Carandiru para extirpar a delinqüência, faz-se necessário um novo olhar sobre o trabalho desenvolvido pelo Estado dentro de seus Estabelecimentos Prisionais. Certamente não será o Poder Público quem conseguirá resolver sozinho o complexo problema da criminalidade, mas seria um grande avanço vermos os Servidores Penitenciários identificados com os objetivos da pena, preocupados com a SEGURANÇA, mas não menos com a JUSTIÇA. A seriedade no desempenho da função pública é o ponto de partida para toda e qualquer tentativa de contornar o evidente problema carcerário no país. De nada valerão a construção de novos presídios ou albergues que sirvam tão somente como depósitos de lixo.

2 comentários:

Vanessa Gaia...Mãe Terra, Estamos Aqui...Sonhos disse...

Nossa amigo, aplaudo de pé cada palavra sua, parabéns pelo post, que aliás soa como um desabafo, lindo o seu ponto de vista, e adorei "Duvidar de suas vitórias é duvidar do ser humano em geral e aceitar que as coisas realmente não têm mais jeito." e eu acredito que ainda tem jeito sim, parabéns pela sua visão, apesar de conviver com ele no dia a dia, você os enxerga de verdade...amei amigo...beijos

Pat Kovacs disse...

Que bom que está postando regularmente em seu blog. Vim aqui para adquirir o livro, mas no seu pagseguro não aceita CC - e agora que tenho um em meu nome, ia usá-lo! Te enviei email pedindo número de conta, pois pra mim não rola nem débito automático nem impressão de boleto :/ meio difícil por aqui.

Obrigada por usar um banner do Alternativos! Vc me tem aparecido com boas surpresas, heim!

Bjins!